sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Assim carregue o nosso amor a Boa Sorte


Oi Amigos!!


Uma vez, pediram para eu fazer uma redação em que o Tema era: "uma carta ao tambatajá". Não lembro se para o vestibular da UFPA ou CESUPA, mas acho que foi a carta mais bonita que já fiz. Infelizmente não Tenho cópia deste texto, mas lembro-me de algumas coisas que escrevi.

Para quem não sabe, o Tambatajá é uma planta que existe na região amazônica, que é muito usada como uma espécie de "amuleto do amor", devido à lenda que explica a sua existência. É uma bonita e trágica estória de amor. E falando em lendas, lembro-me que tive um pedido especial para contar mais das lendas do Pará.


A lenda do Tambatajá é conhecida na região amazônica (Amazonas, rondônia e Pará principalmente. Atenção que a região amazônica não é só isso!!!!).

Vou tentar contar...


Conta a lenda, que existiam tribos rivais, onde o Guerreiro da tribo Taulipang, Uiná, e a cunhã mais bonita da tribo dos Macuxi, Acami, se apaixonaram perdidamente. Contra tudo e todos, foram viver este amor sozinhos e longe, já que foram explusos de suas tribos, por conta deste intenso sentimento. Casal como este nunca fora visto antes. Eram tão apaixonados, tão dependentes um do outro que tornaram-se inseparáveis. Onde Uiná estava, Acami, estava junto. Um dia, Acami engravidou, mas o seu filho nasceu morto. Depois disso ela ficou muito doente e este mal lhe deixou paralítica. Uiná nunca abandonou sua amada. Teceu uma espécie de tipóia e começou a carrergar sua amada nas costas para onde quer que fosse. Um dia, deparou-se com uma guerra entre tribos rivais. Tentou fugir, correr entre as flexas, mas Acami, fora atingida mortalmente. Ao sentir sua tipóia pesada, viu que sua amada não tinha mais vida e ficou desesperado de tristeza. Neste ímpeto, desceu ao leito de um igarapé, cavou uma sepultura, fez uma armadilha com toda areia que havia cavado por cima da cova, deitou-se, acomodou o seu amor em seu peito e acionou a armadilha para serem enterrados juntos. Nunca mais se ouviu falar de Uiná e Acami. Mas, no local onde os dois se deitaram pela última vez juntos, surgiu uma planta peculiar, com uma folha grande, em formato triangular e em seu verso uma folha menor, protegida, e esta, tinha a forma de um órgão sexual feminino. Diz a lenda que esta folha representa a união do casal, que nem a morte separou.

Por esta razão, o Tambatajá é venerado como a planta do Amor e quem tem um pé de Tajá vistoso em casa, sebe-se que ali reina o amor...

Acredita-se também que o Tajá é um amuleto e pode trazer a pessoa amada...
E quem carrega consigo uma folha de Tambatajá tem sorte no amor!
Há muitas espécies de Tajás, mas todas partilham deste poder amoroso.


Em minha carta ao Tambatajá, pedi que um dia, eu tivesse um amor puro e verdadeiro que me fizesse sentir sempre amparada, como Uiná amparou Acami (mesmo acamada!! Não resisti ao trocadilho). Meu amor encontrei muito longe... mas o Tambatajá me ouviu!!!

Waldemar Henrique, poeta, maestro e músico que viveu em Belém, em sua sabedoria, compôs umas das mais belas canções de amor que um dia já se viu. Coloco aqui a letra para vocês, e presenteio com um vídeo. No vídeo, a lenda é contada de forma diferente, mas é lenda...ninguém sabe ao certo o que aconteceu... Porém igualmente linda!

TambaTajá (Waldemar Henrique)

Tamba-tajá me faz feliz
que meu amor me queira bem
que meu amor seja só meu
de mais ninguém
que seja meu,
todinho meu,
de mais ninguém.
Tamba tajá me faz feliz...
Assim o índio carregou sua macuxi
para o roçado,
para a guerra,
para a morte...
assim carregue o nosso amor a boa sorte...
Tamba-tajá me faz feliz...
Que mais ninguém possa beijar o que beijei
que mais ninguém escute aquilo que escutei
nem possa olhar dentro dos olhos que olhei.
Tamba-tajá
Tamba-tajá
O vídeo pode ser visto aqui



Arrepiem-se. E vivam seu amor como Uiná e Acami. Intensamente, sem barreiras.

A Mais Bonita interpretação desta música, na minha opinião, foi dada por Nilson Chaves e Vital Lima, cantores paraenses, que está no CD Waldemar de 1995.
E para quem ainda não encontrou sua metade, façam uma prece muito forte ao Tambatajá, que será ouvida!!!

Um Beijo
Tchela



Mais sobre o Maestro Waldemar Henrique e Vale muito a pena Saber mais sobre sua obra:
Biografia de Waldemar Henrique






5 comentários:

Luciano Nassyn disse...

Uma lenda com fortes nuances!!!... Adorei!... E assim vamos montando as lendas de nossas vidas... Muito bom Tchela!!... Parabéns!!... Como sempre arrebentando na forma de escrever e em seu conteúdo fantástico!

Beijos de LUZ!

Marcela Conor disse...

Obrigada Lu!!!!
Esses teus elogios me incentivam a escrever mais e mais!!! Ouviste a música???
Beijocas

AURORA disse...

Lindo, filha. Essa trabalho sobre o Tambataá, vc escreveu quando estava no 1º ou 2º ano de Farmácia, no CESUPA (lembro da Raquel, na sua equipe)...Bons tempos aqueles...

Danielly Garcia disse...

Bonito texto amiga...
É mesmo uma lenda muito bonita.
=)
Beijo no coração

Marcela Conor disse...

Obrigada amiga!!! Valeu pela visita!! Beijinhos!