segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Por tudo isso...








Oi Amigos!





Hoje me sinto pouco inspirada para escrever. Talvez não fosse o melhor dia para uma postagem, mas é questão de honra, já que me comprometi a não desistir do Blog (lembram-se quando eu passava 4 meses sem dar um alô?? não quero mais que isso aconteça).
Nos meus últimos textos, falei um bocado de amizade. Acho que vou continuar falando...
Hoje me Deu uma baita saudade da minha Dupla da faculdade. Marluce, mais conhecida como Lucy Maleta. Ela mesma se apelidou assim. Dizia que ficava parecida com uma boneca da época de infância dela que tinha esse nome, carregando tanta maleta do nosso Curso de Odontologia (aqui abro um parentese, porque há uns 3 posts atrás tinha dito que entrei pra faculdade de farmácia, mas no ano seguinte, entrei pra faculdade de Odonto na Federal do Pará). E foi o Curso que concluí.
A Marluce é uma das minhas maiores amigas. Pra quem não sabe, na faculdade de odonto, temos que eleger uma Dupla para trabalhar nas aulas práticas. Tivemos grande orgulho de formar a "Marcela e Marluce"!!! Ela se dizia a Tímida e me dizia a Extrovertida. Só sei que com essas diferenças e eram totais, conseguimos ser umas das duplas mais consistentes da história! A gente NUNCA brigou. Aí pergunta-se: mas amizade verdadeira não precisa de divergências de vez enquando? Eu sou da sincera opinião que amigo que é amigo discute os detalhes! Mostra seu ponto de vista, o outro Respeita e vice Versa. Eu e a Marluce divergíamos num montão de coisas e fazíamos as coisas diferentes para defendermos nossas opiniões, mas sempre chegava-se a um concenso. Éramos até cúmplices de algumas peripécias que aprontamos as quais até mudaram nossas vidas. Mas isso não posso contar nem sob tortura! Marluce era organizada! Até demais. Eu era mais largadona, mas tinha (e até hoje tenho) minha bagunça organizada. Fazia Teatro à noite, paralelamente, era até de um grupo (Os Palhaços Trovadores), com apresentações todo o final de semana e ela era caseira... dizia já passar a semana toda praticamente dentro de um ônibus, queria mais estar em casa no Find. Acho que ela nunca me viu atuar! Mas me admirava por tirar às vezes notas até maiores que ela, sem passar um único dia totalmente a estudar (ela que pensa!!!). A gente tem muita história. A melhor época foi mais ou menos no Terceiro ano, quando íamos sem parar para os Forrós Universitários. Pra ela não andar tanto de ônibus, passava os finais de semana na minha casa para a gente poder sair! Chegávamos de madrugada e ficávamos rindo até de manhã das coisas que fazíamos. Uma vez, curtindo o final de um namoro, fomos a um forró no Clube do Remo (timaçooooooo), tínhamos acertado tudo pra eu "ficar com um gatinho" lá. Pois bem. Chegamos e meio minuto depois, minha tímida dupla foi tirada pra dançar e eu fiquei com os planos derrotados... (e eu era a extrovertida). Nunca fui dessa coisa de "fiquete"! Acho que por não ser de minha geração mesmo (a Marluce é 5 anos mais velha-portanto isso é desculpa). Mas não consigo perceber o ato de ficar. Namorei muiiiiiiiiiiito: um ano, 3 anos, 4 meses, 2 anos, um ano e meio e por aí vai! (não façam as contas!!). Sempre me joguei de cabeça aos amores: Eram "eternos enquanto duravam". Quebrei a cara algumas vezes, mas aprendi mais do que me magoei (qualquer dia conto)... mas voltando, a minha amiga Marluce era mais namoradeira que eu!

Acho que uma das minhas maiores tristezas quando me formei (Formatura é um momento de extrema felicidade - mas não maior do que passar no Vestibular), fiquei também triste... Foi Deixar a minha dupla. Ela não participou da nossa festa de Formatura, do Baile, não quis com as esquisitices de timidez, sei lá o quê, mas respeitei apesar de ter ficado um vazio enorme comemorar tudo aquilo que eu tinha conquistado com ela ali, sem a presença concreta.

No nosso clipe, coloquei uma "fotinha" nossa...

Mas não quero aqui ficar recordando isso, como algo que passou. Acho que quis escrever da Lucy porque pra variar, bateu a saudade mesmo. Essa semana trocamos umas mensagens. Uma das nossas maiores características era vivermos rindo. Era o tempo todo fazendo piadas, inventando palavras... delícia de convivência! Regada por grandes gargalhadas e muitas vezes na companhia das Flávias que compunham nosso quarteto!!!

Pra mim, a amizade é ter isso. É gente mesmo longe, nunca se sentir sozinha, tendo a certeza que se tem amigos eternos como a minha dupla. Marluce é um exemplo da mais pura e verdadeira amizade. Ela não usa muito a internet para conversas. Passo anos sem falar-lhe e sei que ela estará lá. É Minha madrinha de casamento.

Não posso deixar de citar outros amigos que mudaram a minha vida e que a distância não nos afastou. Saudades do Cleber, meu irmãozinho. Muitos anos de amizade, desde que você me estendeu a não, lá no Teorema, entregando-me aquela borracha (eu lembro, você não!). Obrigada pelas palavras do papo de hoje via Gmail (esse usa Net). Você me entende como ninguém. Pedro Wagner... Fizeste muita bobagem, mas te amo mesmo assim! Você nunca estará sozinho enquanto eu for viva! Kelly... Sei que o tempo passa, a vida muda, as pessoas encontram outras e outras, mas há momentos que se tornam eternos na nossa vida. Deus abençoe você e essa vida que preparas. Jaci... Fomos muito, muito próximas. O meu carinho é o Mesmo. Pedro Paulo... primo irmão. Não preciso mais falar nada. Neiva... A vida nos uniu num momento de muita dor para ti... e essas circunstâncias fazem com que os laços dados sejam muito consistentes. Sem tua amizade eu seria menos confiante. Theo...de grandes amigos, fizemos nascer um grande amor... mas Deus na sua sabedoria, sabe bem que nascemos para sermos mesmo amigos e estou feliz por termos recuperado a amizade de antes... Andersen, sem tua incansável ajuda na física, eu jamais seria uma dentista. Sem tua amizade, seria menos eu. Por onde andas??? Gleicy, minha primeira amiga 26 anos (ui) de amizade (ela esteve presente no momento difícil do cachinho - ler o post anterior, para quem nao leu,!!!) Nanda Chocolate, Somos amigas desde a barriga das nossas mães!! Acho que nem deveria citar esses nomes, porque tem gente que pode ficar magoado, achando que eu esqueci alguém... Não esqueci, viu Gente... Mas tem pessoas que deixam uma marca por estarem presentes em momentos muito específicos e partilharam problemas, alegrias, tristezas chateações... Se eu fosse citar todos esses amigos, seria impossível estarem apenas aqui nesta publicação.

É o Caso das minhas amigas cá em Portugal! Preciso falar o nome de vocês, suas "comentadeiras" de Blog???? Se não fosse a força constante de vocês, minhas irmãzinhas de cá, nem sei!!!!

Trovadores, vocês são um capítulo a parte da minha existência. Sem vocês, não existia a Tchela Marmela. E a Tchela é meu EU que nunca se abate!!!!
A Todos os Trovadores... merrrrrrrrrrrrrrrrrrdaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

Lu Nassyn, Te incluo neste meu grupo de grandes amigos!!!! E um amigo, desde que eu tinha 7 anos! rsrsr

Já me disseram que é muito fácil gostar de mim. E eu digo que é muito fácil gostar de vocês.
Com vocês, eu nunca mais estou sozinha. Sou a pessoa mais Feliz do mundo.

Escrevi aqui, sobre minha cumplicidade com a Marluce, mas poderia ter pêgo qualquer um de vocês para protagonista deste Post. (Quem sabe...)

Dani e Bibi...minhas irmãs e amigas... vocês merecem uma postagem só pra vocês. Amo vocês, manas!!!!
Gio e Tati... me aguardem!
Para ilustrar este final...uma música... não há melhor final de cena!




Beijooooo muito saudoso da Amiga Tchela
PS1: Primeira Foto: Tchela Marmela e pequenino Gabriel (dez/2007 - Belém PA)
PS2: Segunda Foto: Cleber, Marcela, pequenino Gabriel e Marluce (dez/2007 - Belém PA)


sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Olha o cachinho!!!

Oi amiguinhos!
A Internet é mesmo além de tudo, uma viagem no tempo. Viajando pelos milhões de vídeos que podemos ver, me deparei com um dos mais mimosos que já vi... não é bem da minha primeira infância, mas lembrou-me muito dela. Eu Nasci com o cabelo enroladinho, um monte de cachinho na cachola!!! Confesso que isso durante muito tempo foi um problema... se eu tivesse visto coisas como este vídeo, poderia ter tido uma infância mais feliz nesse quesito!!! rsrsr
As crianças às vezes são cruéis! Fui mais ou menos vítima dessa crueldade por conta do meu cabelo "ruim". Meu Filhote também tem um mooooonnnteeee de cachinho na cachola... mas acho que menina é diferente. Eu sofri muito dos 4 aos 12 anos por causa do meu cabelo...na escola, sempre tinha a mesma turma neste período! Me achava feia, tinha baixa auto estima, tudo por causa das gracinhas de outras crianças... é impressionante a repercussão que isso gera na gente. Mas acho que não fui menos feliz por causa disso. Só me atrapalhou muito no processo do "eu gostar de mim". Se fosse hoje, fatalmente eu teria frequentado um monte de psicólogo, terapeuta, etc... mas naquela época, as coisas eram um pouco diferentes... Aprendi a gostar de mim, no momento em que eu troquei de colégio e passei a não conviver com aquelas crianças cruéis! Conheci muitas outras pessoas, E fui entender o que era ter um amigo de verdade... Tenho que dizer aqui que eu também tive amigos nesse período de chatices. Senão, fatalmente não estaria uma pessoa mentalmente saudável escrevento pra vocês... E tenho esses amigos até hoje. Mas os amigos que encontrei depois disso foram diferentes. Me senti recebida, amada... as pessoas queriam estar comigo, rir comigo e não se importavam com a aparência de um ou de outro. Não sei porque hoje me lembrei muito disso... Isso foi muito importante acontecer para eu ser a pessoa que sou hoje! Devo salientar que eu gostaria de ser um pouco mais bonita! Mas isso vem a tona em horas muito específicas... hoje, na maioria das Vezes, agradeço a Deus por ser perfeita, ser saudável, tem um filho lindo, uma família... Acho que em minha vida apareceram as pessoas certas...que não são escravas do culto à beleza externa das pessoas, mas que vivem a vida, buscando a essencia de cada um, pondo em prática a frase do pincipezinho, que O ESSENCIAL É INVISÍVEL AOS OLHOS - é a segunda vez que cito "o pequeno príncipe" esta semana. E para continuar citando, tenho amigos como a Raposa! Amigos que são amigos...daqueles que vêm às quatro horas e desde às três, já estou feliz! E a esses amigos, meu MUITO OBRIGADA por ajudarem a construir a pessoa forte, em quem me tornei... (sem demagogia). E obrigada por fazerem parte deste meu seleto mundo de muitos amigos. AMO vocês. E amigos incluem minha família: de lá e de cá! É certo que escovo o cabelo hoje em dia, em determinados momentos, mas ADORO meu chachinhos e minha boa cachola!!!!

Beijos e muitoa beijos da Tchela.

E Eu adoro meus cachinhos!
video

domingo, 23 de agosto de 2009

Ainda uma postagem sem estresse!


Oi Gente!!!

Hoje foi meu último dia da férias. Amanhã já começo o trabalho... não sei, mas me sinto muito desmotivada, mas com um sentimento de que é preciso, por isso vou, mas sem nenhuma emoção a mais...e com um medo de não sei o quê.
Hoje passei bem o dia! Passeamos com o Gabriel, fui pegar a Carla pra passar o dia comigo! Dessa vez, ela não precisou da odisséia de pegar o ônibus até aqui!!! Passamos uma tarde muito agradável... conversamos. Altos desabafos de uma vida solitária, carente de família e nada fácil por aqui... mas que se leva, renovando as forças, a cada encontro como este!

Estou lembrando de coisas engraçadas da minha vida desde ontem. Muito bizarro lembrar de coisas passadas. Contei pra Carla hoje. Acho que a melhor é a da "pamonheira"!!!
Quando eu tinha 17 anos, passei pra faculdade de farmácia! Era uma turma muito boa... divertida mesmo (a gente até estudava). A gente tinha uma parede na sala de aula, onde escrevíamos as pérolas que saíam da boca da galera... era cada uma... ninguém podia falar uma bobagem sequer, que já se gritava: ESSA VAI PRA PAREDE!!!! E ia. Com data e o nome da pessoa que tinha soltado a pérola! Neste mesmo ano, eu estava aprendendo a dirigir. O trajeto que eu mais fazia era de casa pra paróquia do meu padrinho e de lá (da missa aos domingos), para as praças, pra uma água de côco, namorar, etc. Neste dia, na saída da missa, fomos à Praça Batista Campos, muito famosa em Belém do Pará, pela água de côco, a tranquilidade (pelo menos era), e pelas vendedoras de pamonha (pamonheiras)...vínhamos nós, papai, mamãe, minhas irmãs e um namoradinho que eu tinha na época: passamos na praça. O papai disse, me ensinando na desenvoltura ao volante: "filha, pare ao lado daquela pamonheira."...dei uma volta, todo mundo calado, achando que eu estava com dificuldades na direção. Dei outra volta...e o papai perguntou o que era... Eu respondi: " cadê esta árvore???" Foi gargalhada geral no Carro. Pamonheira era a mulher que vendia pamonha e eu procurando uma árvore??? Tava bêbada... sei lá o que eu pensei. Só sei que a conversa vazou pra a turma da faculdade. No outro dia, tinha um desenho na parede, ilustrando uma pamonha procurando uma pamonheira (árvore) kkkkkkkkkkk...

Eu faço muitas dessas até hoje... sou muito desligada pra determinados assuntos, mas sou muito esperta pra outros... até gosto de ser papeta Às vezes... dá mais alegria à vida!!! rsrsrs

Tenho saudades dos amigos do Teatro... Uma vez fizemos uma viagem ao Sul do Pará (sudeste na verdade). Quinze dias. Carajás e marabá... Nossa tinha dias que eu ria tanto que acordava com dor no rosto no dia seguinte. Saudades das piadas do Tico! E recordações traumatizantes também... Fomos 19 horas de viagem, escutando moranguinho do nordeste... Dose!!! Mas qualquer dia eu conto...


Aiai...ê lelê.


Beijocas da Tchela em todos....

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

pra não dizer que não falei da folha...


Oi Pessoas!

Pois é... as minhas férias estão acabando. Vou voltar aos trabalho mais cedo do que eu desejo, para ter uma semana mais adiante de folga, para poder ficar com meu filho enquanto a avó viaja. Um dia, vou ter uma vida folgada... sem precisar desses malabarismos.

Passeei pouco nessas férias, mas o que eu mais queria, descanso mental, consegui. Consegui dormir, consegui ver mais coisas na internet, consegui colocar finalmente um layout na minha página, consegui conversar com amigos distantes, consegui até engordar mais um pouco (tenho que voltar a ser como antes, senao nao tenho mais roupa).
No último passeio com o marido e o filho, caminhando pelo parque da cidade do porto, consegui registrar uma imagem, que acho que é daquelas únicas que a gente consegue... aí lembrei do Luciano Nassyn, amante da natureza... como Deus é perfeito. A imagem é esta que estou postando pra vocês!
É inevitável pensar no Amor com ela.
Todas as formas de amar. Já amei muito... amigos, amores... mas nada é igual ao amor que a gente tem por um filho. Hoje posso dizer que conheço os extremos do que é amar. É diferente do amor que sentimos pela pessoa mais especial que se possa conhecer... o homem da nossa vida... é diferente do amor que sentimos pelos nossos pais... é diferente. Completo. Acho que todo mundo deveria saber o que é ser pai ou mãe... os filhos, quando são só filhos, não entendem isso... aí tem aqueles conflitos de pais e filhos que na verdade, nem deveriam existir, se desde sempre a gente soubesse que isso tudo era pro bem deles. Pro nosso Bem.
O mundo hoje anda acho que carente de amor... precisamos saber ler os sinais que Deus nos manda para uma vida melhor... No dia em que eu capturei esta imagem, vinha andando cabisbaixa, meio sem motivo pra estar feliz... de repente, passo por esta folha no chão, com esta forma tão nítida de um coração... nesta hora, parecia que alguém me dizia... és muito amada... tem muita gente que te ama... segue em frente, força... vai lá, Eu estou contigo.
Ah, gente...quem tem fé acredita...quem tem fé caminha sem medo e com a certeza de que a gente chega onde quer...
Compartilho minha folha com vocês.
Vamos desejar um mundo melhor, mas vamos amar como se ama um filho, uns aos outros...
Beijos em todos.
Tchela



segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Segunda Feira eira eira...


Oi Gente amiga! (se é que alguém me lê)
SEgunda Feira geralmente a gente não tem vontade de fazer nada, não é? Passei o dia lembrando de coisas passadas... estou muito nostalgica ultimamente...devem ser pelos quase 2 anos que não vou à Belém... Estou com muita saudade da minha família lá! Hoje, falando ocm a minha prima, recebi uma foto onde ela estava na minha casa, domingo à tarde, comendo aquele café com bolo... confesso que tive inveja do momento... (mais até porque eu quando fazia isso, não engordava... rsrs)...
Tem coisas mesmo que a gente só dá valor quando perde... e essa frase a gente só diz quando realmente perdeu... Por que será que pra ganhar umas coisas a gente tem que perder outras?? Me lembra uma outra frase muito dita por aqui que por sinal odeio: " não se pode ter tudo"... e outra que me dá dor de cabeça : "é a vida"... (eles dizem muito isso aqui, eu acho uma merda se conformar assim com as coisas que não temos).
Nesse tempo de gripe A me faz ainda ficar mais receosa... e minha mãe, pra me tranquilizar, disse que morreu uma amiga sei lá de quem com a tal gripe... Deus ajude a ficar todo mundo bem... Confesso que também estou com medo dessa tal por aqui. Ainda mais porque ando com muito pouca resistência. Me preocupa ainda mais o Gabriel. Mas Deus é grande. Ele é Mais! Hoje passei o dia em casa. Por pressão mesmo. Não tive carro pra sair. Parece que neste mês de agosto, tirando o aniversário do Gabriel, tudo correu meio pro torto, no que diz respeito à contas... lâmpadas queimaram, os seguros todos pra pagar, fizeram o acerto (errado) da companhia de Energia, até o autoclismo da sanita conseguiu pifar... Maré de azar ??? não... maré de um pouco de Falta de sorte... (melhor pensar assim. Já me disseram que sou muito pessimista). Passei o dia lendo coisas na internet. Coisas engraçadas, poemas, notícias... só não vi vídeos que gosto tanto... mas como estou com a net limitadérrima (mais pobreza), preferi não fazer os downloads pesados.
Pra não falar so sonho que me acordou anteontem de manhã... Sonhei que caía uma avião pequeno em cima de umas pessoas... e sem brincadeira: já caíram 2 aviões pequenos aqui desde que sonhei isso...
Pode ser mera coincidência.
Mas é melhor eu rezar mais antes de dormir...
Isso que são férias...

Beijos em todos (os que não lerem, senão nao beijo ninguém)

Tchela

domingo, 16 de agosto de 2009

Isso que é Amizade!



Gente, tenho que postar essa!!


Ontem me senti como se morasse mesmo muito longe...


Convidei a minha amiga Carla, que mora em Matosinhos - Porto, para vir passar a tarde comigo aqui em casa - Grijó - Vila Nova de Gaia. Mas se arrependimento matasse... não por ela Coitada, mas pela Saga que é chegar aqui de transportes públicos... nem parece Europa. Ontem era Feriado, primeira merda. Reduzem os transportes. Ela saiu da casa dela, teve que ir até o Porto (batalha), pegar outro busão pra cá. Dois Ônibus só...mas chegou atrasada no ponto, teve que esperar o outro 45min... depois mais 1h pra chegar aqui, via auto estrada, porque se viesse pela estrada Nacional, Chegava amanhã. Tudo porque o metro não vem até essas bandas... E Se ela viesse de metro, tinha que pegar um Trem e depois um onibus pra cá. Enfim! A Tarde foi legal! Conversamos, vimos um filme, brincamos com o Gabriel e claro, comemos (nosso encontros sem nossa famosa comidinha, nada a ver!). Às 22h fui deixá-la na Cidade de Espinho que fica aqui perto, pra ser mais rápida a volta. Chegando lá, como é cidade de praia, tava lotaaaaadaaaaaaaaaaaaa. Não tinha onde estacionar. Deixei a minha amiga lá na Estação do Trem, e pedi pra ela me ligar quando chegasse em casa. Ela logo me mandou uma mensagem de telefone: só tinha trem Às 23h. Depois ia parar na estação do metro pra ir À Matosinhos... Esperou , esperou e nada do metro. Aí ela lembrou que nao tinha metro naquela hora, pra Matosas. Lá foi ela pra a estação da Trindade (em outro metro), já há meia noite e tal... (se ela estivesse no Rio, tava lascada). Resumindo, chegou em casa mais de 1h da manhã, tadinha, só pra estar comigo por umas 3h... Isso que é amizade....


Valeu Carlete! Desculpa, tá!!!


sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Hoje tirei o dia para fazer coisas domésticas, das quais não gosto e não sou boa em fazer... mas não tive hipótese de fazer diferente...
Saí pensando...como a gente junta treco. Em um ano que estou neste apartamento, não tenho mais espaço pra nada... antes disso eu morava em um quarto na casa da sogra... como???? As coisas da gente multiplicam-se, não me pergunte como. Depois reclamamos que não temos dinheiro pra nada...e como compramos tanta tranqueira...
Meu marido chegou e não entendeu nada... saí logo com uma: manda isso, aquilo e aquilo outro, pra casa da tua mãe! Ele deve ter achado que eu estava mandando ele embora de casa, pois só me referia às tranqueiras dele! Aff
Mas pessoas, o que me tem aflingido, é a "gastura" que estou das pessoas...tem dias que não posso ver as mesmas pessoas... sei lá. Tenho necessicade de conhecer gente nova, bacana, interessante... ainda Bem que a gente pode ter amigos de internet...
Aos meus amigos, obrigada pela amizade de vocês! Aos amigos de internet, obrigada pela amizade de vocês... Aos amigos que sempre quis ter e hoje tenho... obrigada pela amizade de vocês.
Obrigada por aturarem essa mulher tão ranzinza, que estou!!
Beijo
Tchela

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Férias







Eu sempre digo que estar de férias não é ir à praia torrar ao sol, não é fazer viagens megalômicas... Estar de férias pra mim é desligar do trabalho, dos poblemas (será que dá??), das pessoas que você já não aguenta mais conviver... é dar um tempo de tudo, para renovarmos as energias...



Como moro perto de Praia, não custa nada desligar lá, não é??? rrrrsrsrs






Consegui um bronzezinho!!!






Beijos em Todos!






Tchela

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Meu menininho tá crescendo...


Ontem o Gabriel fez 2 anos...

Maravilhoso poder vê-lo crescer tão esperto e feliz...

Graças a Deus eu posso dar a ele um presentinho legal, fazer uma festinha de aniversário... Obrigada Deus por essa bênção!

O Tempo passa depressa... ainda ontem cheguei aqui... hj já tenho um filho de 2 anos...

Eis uma foto dele com o carrinho que a avó deu, na Praia, no seu dia!

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

OS OLHOS DE QUEM VÊ

Vovó Miriam e Marcelinha Bebê...
Vovó aurora e o recém nascido Gabriel, há 2 anos atrás




Um dia, um pai de família rica, grande empresário, levou seu filho para viajar até um lugarejo com o firme propósito de
mostrar o quanto as pessoas podem ser pobres.
O objetivo era convencer o filho da necessidade de valorizar os bens materiais que possuía, o status, o prestígio social;
o pai queria desde cedo passar esses valores para seu herdeiro.
Eles ficaram um dia e uma noite numa pequena casa de taipa, de um morador da fazenda de seu primo...
Quando retornavam da viagem, o pai perguntou ao filho:
- E aí filhão, como foi à viagem para você?
- Muito boa papai.
- Você viu a diferença entre viver na riqueza e viver na pobreza?
- Sim pai! – Retrucou o filho, pensativamente.
- E o que você aprendeu com tudo o que viu naquele lugar tão pobre?
O menino respondeu:
- É pai, eu vi que nós temos só um cachorro em casa, e eles têm quatro.
Nós temos uma piscina que alcança metade do jardim, e eles têm m riacho que não tem fim.
Nós temos uma varanda coberta e iluminada com lâmpadas fluorescentes e eles têm as estrelas e a lua no céu.
Nosso quintal vai até o portão de entrada e eles têm uma floresta inteirinha.
Nós temos alguns canários numa gaiola e eles têm todas as aves que a natureza pode oferecer-lhes, soltas!
O filho suspirou e continuou: - E além do mais papai, observei que eles oram antes de qualquer refeição, enquanto nós sentamos à mesa
e falamos de negócios, dólar, eventos sociais, daí comemos, empurramos o prato e pronto!
No quarto onde fui dormir com o Tonho, passei vergonha, pois não sabia sequer orar, enquanto ele se ajoelhou e
agradeceu a Deus por tudo, inclusive a nossa visita na casa deles.
Lá em casa, vamos para o quarto, deitamos, assistimos TV e dormimos.
Outra coisa papai, eu dormi na rede do Tonho e ele dormiu no chão, pois não havia rede para cada um de nós.
Na nossa casa colocamos a Maristela, nossa empregada, para dormir naquele quarto onde guardamos entulho, apesar de
termos camas macias e cheirosas sobrando.
Conforme o garoto falava, o pai ficava estupefado, sem graça e envergonhado.
O filho na sua sábia ingenuidade e o seu brilhante desabafo abraçou o pai e ainda acrescentou:
- Obrigado papai, por ter me mostrado o quanto somos pobres!
MORAL DA HISTÓRIA:
Não é o que você tem, o que você faz ou onde está, que irá determinar sua felicidade; mas o que você pensa sobre isto.
Tudo o que você tem, depende da maneira que você olha, da maneira que você valoriza.
Se você tem amor e sobrevive nesta
vida com dignidade tem atitudes positivas e partilha com benevolência suas coisas, então... Você tem tudo.