domingo, 7 de março de 2010

Mudança



Dizem que quem muda, Deus Ajuda!
Estamos aqui,no último dia em Nossa Casa, com as caixas todas prontas para a mudança.
Estou com o coração um pouco apertado. Passamos um ano e meio aqui. Foi aqui que o Gabriel deu os primeiros passos. Estou evitando ir à janela, para não ter saudades da vista para o mar. Eu sou assim: Apegada às coisas. Tão apegada que tenho tanto treco que não jogo fora, que qualquer psiquiatra ficaria preocupado...

joguei fora algumas coisas...
Roupa... A gente diz: ah, não tenho roupa... Mas tenho tanta coisa que faz medo... mas é roupa que não serve mais (que nao me desfaço), roupas que nem sei porque comprei de tão bizarra, etc... foram 5 malas só pra mim.
Não queria me mudar... mas meu marido insistiu tanto, que cedi. Deu muita briga isso...dias sem nos falarmos... A Casa nova é maior, mas bem mais longe... o que implica menos 1h de sono diário. Haja vista que já abdicava de 1h e meia do meu belo sono por causa da distância do Trabalho. Vamos ver se aguento. Queria mesmo era encontrar um trabalho depois que me "formasse", mais perto da minha casa.
Vamos ver também para onde Deus me guia...
Espero que esse ditado de que quem muda, Deus ajuda, seja mesmo real. Não que Deus não tenha me ajudado, mas Ele podia dar uma forcinha nesse início a mais, para que tudo corra bem, não nos falte nada. Até porque quero ter as coisas mais em ordem para que a minha mãe encotrar a minha casa mais ou menos organizada, já que não tenho tempo para muita coisa nesta vida que levo aqui...e o Tempo que tenho, aproveito para o meu filho, logicamente!

Torçam por mim!

Marcela

3 comentários:

renata disse...

Amiga..Deus está sim ao nosso lado e vai iluminar-te sempre que necessitares.Se cedeste a esta decisão é porque também acredita que as coisas podem melhorar com as mudanças.Quem sabe não é lá que estará teu sonho de uma oportunidade de um trabalho amis próximo ou a melhor qualidade de vida pro teu filhote? A nós, amigo(as)nos resta apoiar-te e orar sempre pelo teu sucesso já que a distância tornou-se fator influente em nossas vidas.Forte abraço amiga e persevere sempre com fé!
Saudades!!!

Aurora disse...

Mudanças são sempre necessárias em nossas vidas. Com o tempo, vai-se aprendendo isso.Se nos mudamos por não termos ainda um teto definitivo, isso quer dizer que estamos lutando para o conseguirmos.Se temos o teto, queremos mudar mais alguma coisa na vida... O ser humano é sempre assim: é dinâmico! Bem, é bom quando criamos consciência que tudo muda a todo tempo "tudo passa, tudo sempre passará" (Lulu Santos)E que se lutarmos, Deus que tudo vê, certamente nos dará o que tanto almejamos.Vc é guerreira, filha.Tenho muito orgulho de ser sua mãe...e olhe: Não me importo se vc n tenha nada de luxo para me oferecer, vou para aí pra colocar "a mão na massa" e ajudá-la a organizar o seu novo cantinho...Levou uns" euritos "a mais e como uma vainha mágica, tudo vai ficar lindo, lindo!

adalgisa disse...

Marcela, vc tem demonstrado ser uma guerreira. Acho que isso faz parte da personalidade das mulheres da nossa família. É só olhar o perfil de cada uma e vc verá, que cada uma tem uma história de muita luta, algumas de sofrimentos, mas acima de tudo, "somos mais que vencedoras". Isso só consegue quem tem muita fé em DEUS, e isso sei que vc tem. Mudanças acontecem sempre nas nossas vidas, umas são necessárias, outras, obrigatórias e outras são impostas por necessidades. É claro que temos sentmentos por coisas e lugare que marcaram nossas vidas e nos afastarmos ou abrir mão disso, é como se fosse um "parto emocional". Eu paasei pelo que vc está passando. Precisei vender a casa onde meus filhos cresceram e mudei. Muito dos brinquedinhos deles tive que distribuir com as crianças da rua onde morávamos, foi muito triste. A vide é assimm, nos impoõe coisas que temos que engulir "sem água". O seu filho Gabriel, Conor até fisicamente, ainda é pequeno, está com vc. Os meus cresceram e como águias voaram pra longe em busca de novos horizontes. Ficou o Felipe, meu presente de DEUS, se não fosse por ele, acho que o vazio se tornaria um "buraco negro" dentro de mim. Mas, os que estão longe sentem a mesma saudade e solidão e dúvidas que vc sente. Um dia, pelo celular tive que cantar e mandar em mensagem a musiquinha que cantava para acordá-los, quando eram crianças, para irem a escola, fiz isso pra Nathália, que estava depressiva. Eu também guardo um monte de tralha de quando eram pequenos: o cavalhinho de madeira, os primeiros sapatinhos, as primeiras escovas de dente, a primeira calcinha as cuequinhas, o primeiro vestidinho,os trabalhos escolares de cada um série por séris, separados em caixas arquivos, cada série uma caixa co o nome do filhote e a série. Coisas que só um psicoterapeuta explica. Acho que no fundo nenhuma mãe que separar-se de seus filhos, então o fato de guardar coisas é uma maneira de preservá-los conosco. Querida, o dia da sua vitória já está proximo. Não desista nunca. Pena que vc não conheceu a Nathália, vc iria gostar muito dela. Ela é muito divertida, culta, fala inglês, francês, arrasta um alemão e claro fala português brasileiro, rsrsrs.
Fica na paz, todos nós aqui torcemos por vc e vc está sempre nas minhas orações. Lembrei do seu aniversário, mas estou em pós operatório e pra completar na vespera da cirurgia luxei o tornozelo D.
Beijos da dindinha Gisa, te AMOOOOO!!!!!